terça-feira, 18 de setembro de 2007

"Grand Prix: Mitos de Formula 1": McLaren Mercedes MP4/14 (1999)

Com umas linhas de uma extraordinária fluídez e uma mecânica potente e exemplar, o McLaren MP4/14, criado por Adrian Newey, garaniu ao finlandês Mika Hakkinen o seu segundo título consecutivo.


Adrian Newey (actualmente na Red Bull Racing) criou um monolugar dotado de um descuradíssimo estudo aerodinâmico, muito evoluído e com umas linhas incrivelmente fluidas, que começaram a definir-se quando a sua equipa de 174 engenheiros aerodinâmicos passou a dispor de um magnifico túnel de vento da British Aerospace, que McLaren alugava habitualmente.

Newey não pretendeu melhorar as linhas do vitorioso MP4/13 de 1998, antes optou por redesenhar muitos aspectos básicos, para concretizar o MP4/14.



Componentes do MP4/14:

- Com a sua caixa de velocidades semiautomática de desenho próprio de 6 velocidades (ampliável a 7), e uma embraiagem accionada à mão, a transmissão do MP4/14 parecia a antítese daquilo que um carro de corrida deveria dispor. No arranque (momento - quase sempre - decisivo de uma corrida) a sua eficácia provou ser demolidora;

- A zona posterior dos pontões contava com uma nova saída de ar quente, que permitia uma mais rápido fluxo da corrente para a zona interior das rodas traseiras, com o que se optimizou o trabalho do aileron traseiro e melhorou consideravelmente o apoio aerodinâmico do carro;

- Os pontões laterais dispunham de entradas frontais mais estreitas e verticais, e de uma derivação especial do fluxo de ar destinado a refrigerar o computador central do carro;

- Para melhorar o equilíbrio de massas assim como o centro de gravidade do monolugar, centrou-se o habitáculo e colocou-se o piloto numa posição ligeiramente mais inclinada e mais baixa;

- As sofisticadíssimas geometrias de suspensão permitiram ao MP4/14 trabalhar de modo optimizado com os pneus de composto de borracha mais dura, e assim ultrapassar sem problemas os omnipresentes limitadores/correctores/vibradores laterais das diferentes pistas do calendário do campeonato do Mundo.



Motor:

Na sua base inglesa de Brixworth, o suíço Mario Ilien concebeu para a Mercedes e para a McLaren as 5753 peças que, devidamente montadas, deram origem ao motor V10 que equipava o MP4/14. Se bem que conservasse a sua arquitectura de 10 cilindros e idêntica inclinação em "V" nada tinha a ver com o seu predecessor, já que dispunha de um sistema/conjunto de motor, culatras e elementos periféricos totalmente distintos.

Ao longo do ano, embora os MP4/14 tivessem problemas com as suas caixas de mudanças ou com os acessórios do motor, não sofreram, pelo contrário, a menor ruptura do V10.

O motor do MP4/14, sofreu ao longo do ano três evoluções distintas, estradas respectivamente no Canadá, na Alemanha e no Japão.


A Época de 1999 para o MP4/14:

O MP4/14 ficou pronto muito tarde, e começou o campeonato do Mundo de 1999 sem as devidas afinações, pouco fiável e com muitas dificuldades em optimizar os seus sincronismos. Embora a mecânica fosse exemplar, potente e fiável, tornando-se muito fácil gerir tanto a sua potência como capacidade de manobra.




Hakkinen realizou uma primeira parte de campeonato absolutamente normal, mas, após o acidente do seu "arqui-rival" - Michael Schumacher - em Silverstone, pareceu ter "adormecido" - duas únicas vitorias em nove corridas - embora tivesse ganho aquela que foi uma das suas corridas mais importantes da temporada - o ultimo Grande Prémio, o Grande Prémio do Japão -, que o consagrou pela segunda vez consecutiva campeão Mundial de Fórmula 1, com apenas dois pontos de vantagem.


Hakkinen venceu no Brasil, Espanha, Canadá, Hungria e no Japão
Já David Coulthard, o escocês, venceu em Silverstone e em Spa-Francorchamps.



Dados do MP4/14 no campeonato do Mundo de 1999:

Pilotos: - Mika Hakkinen - David Coulthard
Grandes Prémios Disputados: 16
“Pole-Positions”: 11 (Hakkinen: 11)
Voltas mais rápidas: 9 (Hakkinen: 5; Coulthard: 4)
Vitórias: 7 (Hakkinen: 5; Coulthard: 2)
Classificação final no campeonato do Mundo de Construtores: 2º

9 comentários:

Ron Groo disse...

Grande Shuey, está ai é a segunda geração das flechas de prata? Qual foi a primeira e em que ano?
Aparece!

Fleetmaster disse...

Lindo carro da Mclaren deste ano. Em 1999 Mika Hakkinen mereceu o titulo do pilotos. Abraços

Felipe Maciel disse...

Belo post, cara.
O Newey era um gênio mesmo, vmos ver se ele emplaca na Red bull. Já li sobre aa fama do engenheiro que busca sempre o limite do carro mas isso tem uma repercussão negativa Às vezes, porque exige o máximo da mecânica sempre, o que proporciona mais quebras. Talvez por isso nos últimos anos vimos a McLaren quebrando tanto e agora é a vez da Red Bull.

Acho que o Newey poderia ser mais tranquilo, ele tem uma idéia atrás da outras mas as constantes inovações têm seu preço.

Abração

Thiago disse...

Olá, tudo bem?
Assim como você eu tenho um blog que fala de fórmula 1. Sabemos que o legal de um blog é quando as pessoas entram nele e comentam, afinal de contas, um blog sem leitor é um blog morto.
Como é difícil tornar-se conhecido neste meio, gostaria de propor a você uma troca de gentileza que é um referenciar o blog do outro. Mas entenda, gostaria que você fizesse isto apenas se julgar que meu blog é um blog interessante para não sairmos por aí referenciando apenas por referenciar.
O endereço do meu blog é: http://cafecomf1.blig.com.br , espero tua visita e caso resolva aceitar a troca de referência, deixe um mensagem lá ou responda a este e-mail para que eu possa inseri-lo nos meus favoritos.
Obrigado pela atenção.

Thiago Pereira Raposo

Thiago Raposo disse...

Estranho entender porque o Adrian Newey ainda não conseguiu reproduzir na Red Bull o que já fez no passado...

Blog F1 Grand Prix disse...

Sumiu, Schuey? O Mundo aos Rolamentos vai continuar ou essa é uma parada temporária?

Grande abraço!

Speeder_76 disse...

Também digo... estás a dormir? Vá, vá... temos Formula 1 no fim de semana!

Fleetmaster disse...

Schuey kd vc? Espero que volte logo em grande estilo !!!

Abraços

Fleetmaster

Anónimo disse...

It's just one thing after another.