quinta-feira, 6 de setembro de 2007

GP Itália: Antevisão

Monza acolhe este fim-de-semana a 13ª ronda deste disputadíssimo campeonato do Mundo de Fórmula 1 de 2007. Este é também o Grande Prémio em que a Ferrari vai tentar alcançar a vitória perante o seu fervoroso público.
Monza é desde há muitos anos o palco escolhido para acolher o Grande Prémio de Itália de Fórmula 1.

O traçado de Monza é aquele em que os pilotos atingem as maiores velocidades médias ao longo do campeonato, pelo que seja esperada uma renhida batalha entre Ferrari e McLaren com a BMW à espreita.

Em 2007, Monza é "casa" para, "nada mais nada menos" que 2 equipas - Scuderia Toro Rosso e Scuderia Ferrari Marlboro - e 3 pilotos - Jarno Trulli, Giancarlo Fisichella e Vitantonio Liuzzi -.


Na semana passada tivemos o privilégio de verificar os tempos efectuados pelos principais pilotos deste campeonato no circuito transalpino -situado a cerca de 25 quilómetros da cidade de Milão - e podemos verificar que a McLaren parece aparecer em Monza mais forte que os restantes candidatos e que caso a chuva resolva aparecer no Autodromo Nazionale di Monza, Fernando Alonso continuará a provar - se não tiver problemos mecânicos - o seu talento para pilotar em pista molhada , contudo Testes não valem mais do que isso mesmo - TESTES! -.


A Ferrari corre em "casa" e, tal como em anos anteriores é esperado uma adesão em "massa" dos "tiffosi" que tanto vibram e fervem pela "Scuderia".


No ano passado, Kimi Raikkonen surpreendeu tudo e todos ao alcançar com o McLaren a "pole-position". O finlandês - que afirma que correr em Monza significa correr em "casa" - vai tentar repetir o êxito de 2006 nos treinos cronometrados e tentar alcançar a vitória na corrida de Domingo.

Quanto a Felipe Massa, o brasileiro, não foi bem sucedido em 2006, pelo que quererá limpar o mau desempenho de 2006 com um bom resultado de 2007. Em 2006 Massa ficou na história do Grande Prémio por um insólito incidente, entre o brasileiro e Fernando Alonso no Q3, que acabou por relegar o espanhol (então na Renault) para a décima posição na grelha de partida.

A BMW sempre afirmou desde o inicio da temporada que se existisse Grande Prémio em que podia ganhar era o Grande Prémio de Itália, dado o motivador resultado que Kubica obteve em 2006 na sua terceira corrida - um histórico terceiro lugar e primeiro e único pódio da carreira do polaco -.




Mais uma vez, Renault, Toyota, Williams e Red Bull vão lutar entre si pela passagem ao Q3 e pelos últimos lugares que atribuem pontos.


Na Renault, Fisichella corre em "casa" assim como Trulli da Toyota. Ambos os pilotos ainda têm o futuro incerto na Fórmula 1 para 2008 e quererão, certamente, um bom resultado em Monza de modo a aumentarem a possibilidade de se manterem nas suas actuais equipas.

Quem também corre em "casa" é o piloto da Toro Rosso, Vitantonio Liuzzi que, neste momento, não tem trabalho para a próxima temporada, visto que o seu nome não perfila no quadro da Scuderia Toro Rosso para a temporada de 2008.

Em Brackley, o clima vivido é de desânimo pela frustrante temporada da Honda em 2007 que, no espaço de 12 meses passou de "bestial" a "besta".
Para a Honda a temporada já parece estar findada, sendo que a equipa começa a testar novos componentes aerodinâmicos, entre outros, de modo a que o carro da Honda para 2008 seja muito melhor e consiga recolocar a equipa a um nível muito semelhante ao de 2006.
Em Monza, a equipa quererá, mais uma vez, imiscuir-se na luta com os Super Aguri e os Toro Rosso. Caso consiga algo mais, será um fim-de-semana excepcional para a equipa.


Na Super Aguri correm rumores que a equipa pode vir a ser comprada pelo espanhol Adrian Campos, o que poderia vir a alterar a dupla de pilotos para a próxima temporada. Para já Takuma Sato parece ter lugar garantido, muito devido ao facto de a equipa ser "suportada" pelos motores Honda, contudo o britânico Anthony Davidson tem feito uma segunda metade de campeonato soberba e tem suplantado em qualificação o colega de equipa.

Por fim a Spyker, que muito dificilmente sairá dos últimos lugares da grelha e da corrida. O único aperitivo (se é que assim lhe podemos chamar) é a possível compra de Vijay Mallya e de Michiel Mol de parte da equipa de modo a salvá-la.
Como primeira medida, esta aquisição pode levar ao ingresso de pilotos indianos na Fórmula 1. São exemplo disso Narain Karthikeyan e de Karun Chandhok.



Apesar de nos últimos 20 anos a Ferrari não ter vencido com regularidade em Monza, a história prova-nos que nem sempre foi assim.
Nino Farina, em 1950 vencia em Monza e abria assim o livro da maravilhosa história do mítico circuito italiano, sagrando-se nesse mesmo ano oficialmente, o primeiro campeão do Mundo de Fórmula 1!


Foi em Monza, há precisamente um ano que Michael Schumacher tornou publica a sua decisão de abandonar a disciplina máxima do automobilismo Mundial!



Foi também em Monza no ano de 2000 que o retirado Michael Schumacher bateu o recorde de vitórias de Ayrton Senna!

Para finalizar aqui ficam duas voltas completas ao traçado italiano.

Estávamos no ano de 2002 e Juan Pablo Montoya efectuava em Monza a volta mais rápida de sempre do circuito:



Esta segunda volta foi realizada por Felipe Massa em 2006 no seu Ferrari em qualificação!


2 comentários:

jójó disse...

Amigo Schuey estás em grande ele é F1 ele é musica ele é atletismo parabéns está a tornar-te paragem obrigatória.Bom fim-de-semana.

Blog F1 Grand Prix disse...

Preciso elogiar esse post? Muito bom, para variar! Os vídeos são uma bela diversão...

Grande abraço!

P.S.: Que óculos são aqueles do Massa na foto junto ao resto da equipe Ferrari? Horrorosos hahaha