sexta-feira, 17 de agosto de 2007

Circuitos: Kyalami

Apenas um país africano foi palco de grandes competições internacionais do desporto motorizado ao mais alto nível: a República da África do Sul, cujo primeiro circuito permanente foi o de Kyalami, nos arredores de Joanesburgo. Tem um traçado espectacular devido ao seu desnível.

Situado no distrito de Midrand, a meio caminho entre Joanesburgo e Pretória, que distam 50 quilómetros uma da outra.

O circuito está situado num planalto, a 1700 metros de altitude, o que faz com que os motores debitem aproximadamente menos 10% de potência que ao nível do mar, pois uma menor pressão atmosférica é sinónimo de menor caudal de ar.

Assim o afirma Davide Bridio, que lidou de bem perto com esse problema na Yamaha: «Aqui pode-se perder até 15% de potência devido à altitude, e há pilotos que me dizem: "Podes dizer-me o que quiseres, mas este motor não puxa!"»

Kyalami significa "minha casa" e foi inaugurado em Dezembro de 1961.

Sofreu uma remodelação maior em 1987 e outra menor em 1991, anos em que não perfilou no Mundial de Fórmula 1.


O circuito de Kyalami foi criado por um grupo de entusiastas e, aquando da sua inauguração, tinha uma longa recta que descia até à primeira curva. Esta espectacular e temida descida desapareceu em 1987.

Pertence, desde Julho de 1993 à Automobile Association, que tem nele a sua sede.

Dispõe de uma instalações pequenas, mas suficientes. Os grandes camiões e motorhomes que se utilizam actualmente na Europa não caberiam no paddock, mas as equipas que por lá passaram conformavam-se com a utilização de quartos adjacentes às garagens. Por cima deles encontra-se a sala de imprensa, os escritórios da organização e uma pequena sala de exibição.

Foi sede do Grande Prémio de Fórmula 1 da África do Sul - sucedendo a East London - entre 1967 a 1985, ano esse de 1985 que marcou uma interrupção prematura da realização do Grande Prémio da África do Sul. O mexicano Pedro Rodriguez ao volante de um Cooper-Maserati foi o vencedor da primeira passagem da Fórmula 1 por Kyalami em 1967.

A Fórmula 1 regressaria a Kyalami em 1992, uma vez que estava iniciada a reforma política que acabou com o regime do apartheid e levantadas as sanções que por este motivo pesavam sobre o país, Kyalami voltou a ser sede do Grande Prémio. Contudo, em 1993, os motores dos carros de Fórmula 1 fizeram-se, provavelmente, ouvir pela última vez em Kyalami, com o francês Alain Prost a levar de vencida a última corrida disputada até ao momento pela Fórmula 1 em solo Africano, a bordo do seu Williams-Renault.


Foi em Kyalami, em 1983, que Nelson Piquet alcançou o seu segundo título na Fórmula 1, depois da vitória de Riccardo Patrese, da Brahbam BMW.


Desde o epilogo da Fórmula 1 em Kyalami, apenas as Superbikes - de 1998 até 2002 - e do campeonato do Mundo de Motociclismo - até 1999, altura em que o Grande Prémio da África do Sul de motociclismo se mudou para Pakhisa -. Outros campeonatos vão passando por Kyalami, no entanto, nenhum da envergadura das Superbikes, "MotoGP" e Fórmula 1.

O traçado é muito técnico e requer uma excelente afinação da “máquina”, dificultada por várias mudanças de aderência do asfalto pelo desnível importante que se reflecte na nomenclatura; assim, o troço que se segue à curva Wesbank chamase Mine Shaft ("poço da mina"), devido à sua imponente descida. Na recta da meta também existem várias mudanças de inclinação: no princípio sobe, nivela a meio e depois torna a descer.


O ex-piloto de Superbike Juan Borja chegou a dar mesmo as suas sensações acerca do circuito: "Quando vais a subir a todo o gás, é difícil saber onde deves cortar a aceleração, porque a seguir vem a descida."

3 comentários:

Fleetmaster disse...

Pôxa, parece que estamos combinando. Acabei de colocar um post sobre o Nelson Piquet e fui ver o seu blog. Daí vi o circuito de Kyalami, onde ele conquistou um de seus títulos.
Mais uma vez caiu como uma luva um para o outros os posts....
Muito legal !

Abraços

Blog F1 Grand Prix disse...

Mais outro ótimo post, Schuey!

Nós próximos anos, a África do Sul pode voltar ao calendário com uma prova em Cape Town, num moderníssimo circutio a ser construído por Hermann Tilke.

Quanto a Kyalami, fico triste com o fim da pista antiga, que era absolutamente magnífica. A reta principal, com uma grande descida antes da primeira curva, era espetacular.

De qualquer forma, Kyalami é um daqueles circuitos que nunca serão esquecidos pelos maiores fãs da Fórmula 1. Por lá desfilaram pilotos desde Jim Clark até Ayrton Senna.

Poucas pistas no mundo tiveram esse privilégio.

Grande abraço!

Felipe Maciel disse...

Boa, Schuey2007, belo post!
Esse é um circuito sempre bom de se lembrar, até porque não é possível esquecê-lo, a história da F1 passa por ali.
abs